GiGS No. 315 Janeiro 2010 - Kyo

A visão que esse vocalista, que esta acima do resto, tenta portar e sua maneira de se expressar é??
Com uma voz que possui energia esmagadora, Kyo canta expressando sentimentos de forma direta que atravessa o coração dos ouvintes.
Com sua unica e absoluta existência, o que ele quer expressar nesse novo single?


"As letras não são algo que você conseguirá entender o significado quando apenas as lê do começo ao fim."

--A versão restrita de VINUSHKA (inclusa no Average Blasphemy) incluiu videos do bombardeio atômico e de suas vitimas. Depois de ver isso, e sabendo o titulo do novo single "A violência e a escuridão do calor ardente entrelaça-se em meu coração", eu pensei que se referia literalmente a isso. Então quando ouvi a nova música, as emoções foram descarregadas e a tristeza/pesar horripilantes foram comunicados. Acredito que a música foi escrita do ponto de vista das vitimas da bomba. Que tipo de videos ou imagens você tinha em mente quando estava compondo o novo single?

Kyo: Não mudou muito, apenas a cor como eu esperava. Tambem apareceram no titulo dessa música, coisas vermelhas e pretas que giravam loucamente entre si, mas debaixo disso há algo realmente frio. Para as pessoas que causaram aquela dor, quando eles perceberam o que fizeram, eu imagino como se comportaram. Para aqueles que se feriram, eles irão na direção de não querer se tornar como aquelas pessoas ou eles definitivamente não vão querer se misturar. Mas o significado da letra não é apenas esse, foi escrita com o "preto" representando a escuridão, e tem algo diferente intercalado nessa história(*ainda referindo-se a hageshisa). É por isso que, mesmo lendo as letras, eu acredito que você não compreenderá o sentido. Mas o que resta depois que você as lê? Esse metodo não mudou desde "UROBOROS" e eu tenho dado importância a isso. O que restará será diferente para toda e cada pessoa, certo? Isso é interessante. De certa forma, eu acredito nisso.

--Agora, logo após experimentar o impacto do video clip, eu pessoalmente acredito que está na direção dos pensamentos sobre a guerra e sobre as vitimas da bomba atômica.

Kyo: Mas, por que isso aconteceu? Não foi causado pela escuridão fundamental que toda humanidade possui? É por essa razão que eu acredito que conectar essas coisas é natural.

--Mas você não usou palavras brutais e cruéis, e não cantou diretamente sobre uma cena trágica. É mais como, o quão longe você consegue escrever sobre os pensamentos humanos dentro de cada um. “GLASS SKIN” de “UROBOROS” é escrita do ponto de vista de um pássaro, mas dessa vez eu achei que foi muito mais fundo.

Kyo: A música pedia por isso. Eu sou sempre direto quando se trata de música. E isso naturalmente se conecta com os shows.

--Mas quando você escreve as letras dessa maneira, há algum livro ou gravura que o impulsiona a faze-lo dessa forma?

Kyo: Eu não leio livros. Eu tambem não olho gravuras, e eu ultimamente não tenho visto nem os noticiarios. Mas quando você entra em contato com outras pessoas, você sentirá coisas diferentes, certo? Coisas superficiais são obvias, mas eu tomo conhecimento do que está por baixo disso. Minhas canções são escritas geralmente a partir disso.

--Quando você escreveu as letras para “Hageshisa to, Kono Mune no Naka de Karamitsuita Shakunetsu no Yami”?

Kyo: Eu comecei a partir da etapa em que eu podia ver o arranjo. É por isso que os gritos e vocais gravados durante a pre-produção foram usados.

--Isso é quando a sexta corda da guitarra cai até A#. A partir disso, é o tom mais baixo que você já usou até agora. Em termos de imagem, foram as coisas que sairam diferentes?

Kyo: Eu sou uma pessoa que não entende nada sobre afinação e sintonia(risos). Mas, pode ter tido algo relacionado.

--Então as letras vem da "imagem" completa incluindo a afinação? Mas quando você interpreta diretamente e escreve as letras, soa como se você estivesse correndo a toda velocidade ou você sente como se tomasse a direção da violência?

Kyo: Mesmo quando você ouve músicas agressivas, eu não acredito que se trata apenas de "agressão". O que esta envolvido por tras disso? Dessa forma, eu compreendo as coisas com maior facilidade. Eu tambem não tenho muito interesse em coisas violentas ou agressivas, musicalmente falando. Alem disso, a música tambem possui uma imagem própria, que pode estar relacionada com a minha mente naquele momento, ou simplesmente, pode ser porque o clima esta bom. É por isso que eu tambem não sei. Eu não escrevo apenas usando a imagem da música. Por essa razão, é bem humano.Agora, se eu fosse escrever usando a imagem gerada após ouvir essa música, acredito que eu criaria letras totalmente diferentes.

--A frustração das pessoas que são inibidas por algo enquanto perseguem seus sonhos tambem é retratada. Você pensou em retratar isso quando escrevia as letras? Ou isso apareceu depois de concluidas?

Kyo: Na verdade não, essas letras são mais abstratas e não como aquelas em que você vai adiante na direção da resposta que você uma vez enxergou, a sensação após isso, não importando o que, é o lado da vitima ou o daquele que esta vitimizando, é a mentira após o que eles fizeram. É dificil de explicar em palavras, mas é essa a sensação.

--Você quer dizer que não escreve as letras de forma lógica ou seguindo uma história, mas sim escreve continuamente usando suas próprias emoções.

Kyo: Correto. Mas as pessoas sempre dizem coisas diferentes como é por isso que não possui uma história e tal. Mas não é isso. Se eles fizessem da letra uma imagem, eles provavelmente compreenderiam. Dentre os fans, há pessoas que pensam que coisas que eles próprios não compreendem são erradas. Eles dizem que essas letras contem apenas palavras dificeis colocadas juntas para criar uma atmosfera e é isso aí. Se eles pensam assim tudo bem, mas há uma forma diferente de encarar-las. As letras são algo que você não compreende o significado quando apenas as lê do começo ao fim.É por isso que eu acredito que estou fazendo uma expressão livre.

--Mas, as letras tornaram-se mais cruéis.

Kyo: Tambem acho. O que eu escrevi é tridimensional. Por isso é bem dificil de compreender.

--Quando eu compreendi as letras, mudou minha maneira de pensar.Foi o mesmo com “UROBOROS”.

Kyo: Ao parar de escrever letras que expressam perfeitamente uma história, eu fui capaz de fazer algo que pode ser lido de maneiras diferentes, porque é possivel substituir algumas coisas. E se tornou algo que você se pergunta várias coisas após terminar de ler. Todas as suas emoções são algo impossivel de ser explicado em palavras certo? Mas isso é escrito de um modo real, e é por isso que acredito que você não seja capaz de compreender imediatamente.

--O modo como você canta e a sua voz comunicam as letras que carregam realidade.Quando você profere palavras como música, você distribui vozes diferentes para cada palavra?

Kyo: Sim. Tambem há um motivo para eu querer que as letras sejam mais tridimensionais. É possivel apenas cantar suavemente, mas eu me canso das coisas rapidamente. Acredito que não há razão para fazer coisas que outras pessoas já estão fazendo. Quando eu faço do meu jeito e mais naturalmente, sai algo assim. Em outras palavras, eu sou deturpado(risos).

--Não,eu não creio que vi alguma vez alguem unir a voz com as suas palavras dessa forma. Tambem, o surpreendente foi, o refrão no começo da estrutura, adiante foi cantado melodiosamente. O centro estava repentinamente ali, e as coisas, até você chegar a esse ponto desdobravam-se da melodia. Não havia introdução.

Kyo: Sobre as letras do refrão, eu cantei com as palavras adequadas enquanto nós tentavamos adicionar a melodia. Metade das palavras que eu cantava naquele momento foram usadas. É por isso que a melodia uniu-se adiante.

--Quando há mais sons baixos devido a baixa afinação, como vocalista, com a intenção de criar um contraste, você procura uma melodia mais elevada?

Kyo: Eu procuro por muitas coisas que não estão relacionados com a afinação. Mas a brecha é interessante. Não existem varias bandas com vocais "gêmeos" recentemente? É sagaz quando você junta tudo. Esse é meu lema (risos). " Seria bom se cada um dos elementos se tornasse um pouco mais incrivel", eu fico ansioso com isso enquanto trabalho.

--Desde o refrão, a melodia vem após um riff simples apimentado com um som longo e grave do baixo, muito atraente. Você é pego pelo riff e pela melodia.

Kyo: Correto. Nessa música o refrão tambem aparece 3 vezes, e a letra é sempre a mesma. E tambem é o titulo da música. Eu tambem achei isso interessante (risos).

--Mas agora é esse tipo de modalidade. Fazer músicas atraentes e que pegam de uma maneira boa.

Kyo: Sim. Mesmo agora estamos criando músicas e nunca ficamos sem idéias. Coisas como " o que diabos é isso?" continuam surgindo. A modalidade de cada membro esta nas suas melhores condições atualmente. O estilo de cada um, e a mistura que surge disso, acredito que está indo em uma boa direção.

--Parece que você consolidou os vários arranjos vocais que ouvimos em  “UROBOROS” aqui. Você atingiu um ambito vocal incrivel em apenas uma música. Colocando a harmonia no refrão que causou uma afinação bonita e quase espiritual antes do final, as letras e as emoções uniram-se e causaram impacto.

Kyo: Sim, eu entendo. Seria bom se outros entendessem isso dessa maneira.

--A partir dai, a ultima metade me deu calafrios.. A mixagem da música ficou incrivel; Jens Bogren, encarregado da mixagem é suéco... Mas independente da onde a pessoa vem, eu acredito que de cara ele não saberia o que fazer com esse jeito de cantar. Você deu a ele uma tradução da letra para o inglês?

Kyo: Não, por isso que ele arranjou a primeira mixagem por conta própria(risos). A pré-produção estava praticamente feita, então nós não perdemos muito tempo nos comunicando depois disso. Mas, a expressão do canto é bem delicada/sutil então equilibrar o volume e o balanço do som foi dificil. Nós tambem não fomos capazes de nos comunicar detalhadamente diversas vezes, então eu acredito que há pequenas coisas que teriam saido melhores se tivessemos feito isso. O que eu quis expressar era tudo que estava compactado lá, e se puderem ouvir tudo então esta bem. E por isso que eu pensei que seria melhor priorizar o que o grupo queria fazer ao invés de reclamar.

Pensar "música antiga = fan service = por isso está no bis". Acho isso estupidez.

--Mas as palavras não afundam no som, e mesmo assim o som se destaca. A segunda música -ZAN- é um remake, certo? O conteudo parece com o de “Hageshisa to, Kono Mune no Naka de Karamitsuita Shakunetsu no Yami”. Foi esse o motivo para escolherem essa música?

Kyo: Não, isso foi por acaso. Pode ter algo relacionado quando tocamos “?-ZAN-“ no male only no show no Rokumeikan. Os membros disseram "Que tal?"  e coisas como "Seria nteressante se nossos "eu" atuais fizessem isso".

--Primeiro de tudo,  vocês ficam conscientes do que, quando seus "eu" atuais aboradam músicas antigas?

Kyo: Nada, é um "zero". Mas honestamente, eu queria mudar a música mais, mas os outros acharam que seria melhor se deixassemos um pouco do sentimento presente na -zan- original. Mas para mim pareceu que não mudamos praticamente nada. Quando eu disso isso a eles, eles disseram "mudou sim". Eu me lembro de me sentir surpreso (risos). Mesmo sendo eu quem mais mudou, não parecia. Então eu me aborreci e me sujeitei àquilo (risadas).

--Se você fosse modifica-la diretamente do jeito que você queria, você não deixaria nem mesmo a forma original?

Kyo: Eu pensaria eu deixar quieto mas, seria algo como quando “HYDRA” virou “HYDRA -666-“. Eu queria mudar a estrutura em si.

--Como você cantou “?-ZAN-“ no show, você se inspirou na idéia de “Zan”?

Kyo: Não, não foi nada disso.Eu não ouvi sequer uma vez “?-ZAN-“ quando iamos toca-lo durante o show. Eu tambem esqueci as letras. Mesmo durante os ensaios eu cantei apenas uma única vez. Isso tornou mais facil faze-la mais "simples". Tambem pareceu nova.Eu modifiquei as letras. Isso foi com a intenção de confrontar a música antiga mas eu sou o tipo de pessoa que renuncia o passado e segue em frente. É uma expressão ambigua. Eu me livrei de tudo aquilo que não combinava com minha identidade atual. Mas eu mantive os sentimento. Depois disso eu passei do inglês para o japonês.

--Eu me senti esmagado pelas emoções. Vocês tem muitos fãs que suportam tristeza/pesar. Eu imagino se eles choram.

Kyo: Seria interessante se existissem pessoas que se conectam à música dessa maneira.

--Alem disso a terceira música, “Shokubeni (Shot In One Take)” que era “Shokubeni” regravada em apenas uma tomada. Depois de  “UROBOROS” estar completo, eu insisti em pedir aos membros que regravassem músicas antigas.

Kyo: Sim (risadas).

--Mas eles me disseram que há músicas que eles podem e não podem regravar. E me disseram "você deve perguntar ao vocalista sobre isso". Shokubeni foi uma das músicas que você queria cantar de novo?

Kyo: Sim. Recentemente, as músicas antigas que tocamos nos shows são músicas que meu eu atual quer cantar, nós apenas tocamos músicas que se misturam com a atmosfera dos shows. Durante a ultima turnê nós tocamos “Akuro no Oka”…, ah, vocês não foram capazes de assistir? (risada sarcástica). Mas muitas pessoas disseram que nós fizemos isso como se fosse um fan service etc.

--Isso é mentira. Nós negamos isso.

Kyo: Sim, é mentira. Eu apenas queria canta-la e honestamente eu não ligaria nem um pouco se ela fosse colocada na parte principal do show, porque vai apenas se misturar.

--Correto.

Kyo: Mas algumas pessoas cabeças-duras vão pensar " música antiga = fan service = por isso está no bis" .Isso é estupidez. Tocando Akuro no Oka e Shokubeni, não mudaram muito dentro de mim. Houve tambem uma sugestão de incluir outra música no single, eu tambem queria mudar o arranjo e as letras. Mas precisaria de tempo. Por isso decidimos gravar em uma única tomada, para fazer algo bem feito de uma só vez e que não necessitasse ser trabalhado depois. Foi por isso que optamos por Shokubeni.

--Foi alarmante ouvir shokubeni no album “VULGAR”. Era direto e fácil de entender, prostituição adolescente e escrita de forma clara. Foi uma música controversa que não é circulada no mundo.

Kyo: Correto.

--Mas mesmo assim “Shokubeni” é uma música onde você tem um alto nivel de satisfação e realização desde o momento em que foi criada?

Kyo: Eu estou satisfeito com a maioria das músicas que fizemos mas nos shows presentes, é uma música que meu eu atual cantaria, alem disso se tratando de canções faceis de serem conectadas entre si, shokubeni esta no topo da lista. Mas tambem, existem músicas que não da para tocar...

--Bem, e quanto a Yokan?.

Kyo: Oh “Yokan” (risos).Nunca nem pensei a respeito. Eu imagino como sairia se eu fosse canta-la atualmente. Acredito que seria interessante.

--Whoa, e a opinião de que seria "interessante" surgiu.

Kyo: Eu não posso dizer com 100% de certeza que não faremos isso. Mas se tocarmos Yokan, havera pessoas que terão pensamentos realmente idiotas. E eu odeio quando dizem coisas desse tipo, então prefiro não fazer isso. Seria legal se eles apenas sentissem a música, mas não é isso que acontece.

--Durante a turnê anterior, depois que vocês tocaram Akuro no Oka, houve muitas opiniões diferentes circulando. Mas, não houve tambem muitas pesoas que retornaram aos shows?

Kyo: Bem, acredito que isso foi a sensação de nostalgia. Mas para mim a única coisa em que estou pensando é que, acima dessa sensação de nostalgia, o quanto Akuro no Oka se misturou na atmosfera presente. Ninguem quase entendeu isso (sorriso sarcastico). A minha visão mudou mas mesmo assim o fato de que o que você vê nas canções antigas não mudou muito, é tambem a prova de que as raízes não desapareceram. Mesmo com a atmosfera se misturando de forma simples, já que esta sendo realizada por nossos "eu" atuais é claro que há algo diferente, não? Seria bom se as pessoas tambem curtissem isso. Os membros curtiram.

--DIR EN GREY é uma banda que muda constantemente correto? Mas músicas antigas estão constantemente em vocês, e quando ouço que mesmo agora existem músicas que vocês querem cantar de novo, eu penso que isso é muito bom.

Kyo: Há partes em que a expressão é pobre ou infantil, ou partes em que eu quero deixar meu passado para tras, mas as raizes são as mesmas. Eu só quero deixar para tras as partes frivolas.

--Se é esse o caso, então vou continuar fazendo pedidos(risos). Antes do lançamento do single, em novembro vocês realizarão uma turnê pela América incluindo a américa do Sul. Logo você estará aproveitando a turnê(risos).

Kyo: Não, não é tão divertido. Eu odeio viajar o tempo todo. No começo, por serem as primeiras vezes o tempo passava mais rápido. Mas quando você se acostuma, você cai numa rotina sabe? Quando isso acontece fica cansativo. Você apenas repete a mesma coisa diversas vezes. Eu não falo muito, e não saio muito do ônibus da turnê. Então é dificil. Se é esse o caso, é quase como se fosse melhor adoecer e ficar um mês no hospital. É como me sinto.

--Você diz que é dificil, mas não deseja ser mais reconhecido por lá?

Kyo:Sério? Nunca pensei assim. Ganhando a atenção de outros países ou não, nós continuaremos fazendo as mesmas coisas (risos). Mas estranhamento, eu prefiro que eles não pensem que somos populares. Eu definitivamente não quero que nós sejamos misturados com outras coisas da cultura japonesa.

--Mas mesmo no exterior, vocês se destacam em varios aspectos.

Kyo: As vezes parece apenas uma existência maniaca. Eu acho que tudo bem tambem.

--Falando nisso, DIR EN GREY sempre foi assim tambem aqui no Japão, não?

Kyo: Você quer dizer, sempre uma mania? (risos)

--Não, sua existência sempre foi underground, uma banda que apareceu de repente. O que vocês fizeram e o que estão fazendo agora, não parece como as demais bandas major. Ser uma "mania" lá fora é realmente algo para se orgulhar.

Kyo: Sim, é (risos). Eu não quero ser reconhecido por lá apenas porque fomos pra lá, e definitivamente não quero ser associado com coisas como anime. Pessoas sempre nos dizem que estamos indo para lá talvez porque tem relação com o visual kei ou com anime. Mas não é.

--Quando retornarem da sua turnê pela américa, vocês terão dois shows no Budoukan.

Kyo: É o encerramento de “UROBOROS”.

--A última vez que vocês realizaram um show com o nome “UROBOROS”  foi em 4 de dezembro passado no Osaka-jo Hall, e durante aquele tempo, vocês fizeram shows Japão a fora. Sua imagem de UROBOROS mudou completamente desde então?

Kyo:Sim. Mudou, e foi completamente assimilada por mim. Para as pessoas que comparecerem aos dois shows, aproveitarão as diferenças entre o Budokan e o Osaka-jo. Para nós, estamos ansiosos para ver como mudou para cada um. Depois de UROBOROS ter sido assimilado, o som e os aspectos visuais, eu quero expressar tudo que eu puder. Já que é o show de encerramento, nós tambem tocaremos o novo single. Ao mesmo tempo que é o fim é tambem o próximo passo. Estou ansioso para ver que tipo de fluxo surgirá dessa mistura com UROBOROS. Em termos de sentimentos, estamos indo em direção a algo novo, mas no Budokan nós desvendaremos 120% de UROBOROS e uns extras talvez, provavelmente vislumbres de algo novo.
Já que no final algo novo surgirá, eu acho que faremos algo distorcido. Mas tambem acho que essa porção subta é interessante. Há dois dias disso.Bem, como somos nós tocando, não será algo normal.


Créditos: Orchestrated Chaos


Tradução: DIR EN GREY Brasil




Por Aiko

1 comentários:

ROZEN~ | 6 de fevereiro de 2010 19:02

hmm...cara, o que é o GiGS? Eu ja vi muita coisa legal provindo do que for que seja, como aquela demonstração de varios guitarristas japoneses que tem no youtube, mas do que se trata? vc sabe?

Postar um comentário